29 de julho de 2007

A volta e a perfeita perfeição

Debate antigo
(Do baú)

(...) Genética x cultura, hereditariedade x influência do meio... É um debate antigo que nunca se resolve. Por que certas pessoas "dão" para certas coisas, e outras não? Mais especificamente, por que eu sou em zero em matemática enquanto tantos à minha volta não só sabem fazer contas como gostam? Meu cérebro já nasceu decidido a rechaçar qualquer tentativa de introduzirem nele a raiz quadrada ou isso foi uma decisão minha que ele acatou? O fato é que há pessoas que querem ser dentista desde pequenas, e outras que não apenas não concebem como alguém possa ter uma vocação assim como precisam se controlar para não morder o seu dedo. Seja por influência do meio ou por compulsão genética, o fato é que a partir de uma certa idade nós todos sabemos se queremos abrir barrigas ou não. Estabelecida qual das duas raças é a nossa, podemos escolher entre as opções de cada uma. O que não impede mal-entendidos. Lembro como eu gostava daqueles problemas matemáticos com historinha, tipo "Se um trem sai de uma estação a tal hora viajando a tantos quilômetros por hora e outro sai de outra estação a tantos quilômetros de distância na mesma hora e na mesma velocidade mas o maquinista precisa passar em casa e perde cinco minutos..." ou "Se uma mãe tem três pedaços de laranja para repartir entre cinco filhos...". Cheguei a pensar que meu cérebro gostava de contas e minha vocação era para as ciências exatas, até me dar conta de que eu não gostava da matemática. Gostava das historinhas. (...)

Luis Fernando Verissimo
Zero Hora - 29/07/2007


Enfim, final das férias, a volta para o mundo hoteleiro, cheio de Teorias e Práticas Operacionais e Planejamentos dos Meios de Hospedagem e Serviços de Alimentação... É, né, fazer o quê? Realidade chatinha essa, maaaas enfim...


Vamos ao título redundante (de uma guria muito redundante): o show, o show! Quarta-feira foi totalmente atípico. A começar pelas fritas no Bells vazio, onde tocava música dance. MÚSICA DANCE NUM BELLS VAZIO!!!! Mas tava bom, só estranho... Daí veio o Teatro Renascença, cheio de senhoras e senhores estilinho high society, com seus casacos de pele, pouca gente mais jovem. E um casal de jaqueta, mochila nas costas, jeans e All Star: o Rick e eu. Um baita de um frio e pessoas distrubuindo taças de champagne para quem esperava na fila. CHAMPAGNE NA FILA!!!! Olha, estranho, mas tudo perfeito...

E daí veio o show do Nico Nicolaiewsky. Perfeito. Muito perfeito. Duas cadeiras na primeira fila da lateral direita, só duas, ali, sozinhas, esperando o casal que completava 141 dias na ocasião. Tá, ele não tocou Feito um Picolé no Sol, mas bah, tava tri, muito tri...

O Fito de segunda ficou pro Marlon (o último sortudo a conseguir ingresso) e pra Belle. E a semana que vem pela frente vai ser cheia, very cheia, com aula de carrinho, hotel e trabalho. E eu preciso sair, chega de finais de semana socada nesse quarto!!! Diga não à gripe!!

Quarto semestre. Ano que vem eu me formo em Hotelaria. Enquanto o ano que vem ainda continua sendo o ano que vem, é hora de se preparar psicológicamente pra ter aula com o Nardi, inglês de noite e francês no sábado... (Je m'appelle Fabiana Gomes, j'ai dix-huit ans et j'étudie Hotellerie. - um dia eu saio disso)

Ouvindo La Luna Llena - Ira!. Nhééé passei a semana baixando cds na Setur =P

3 comentários:

Carol Costa disse...

\o/
Aulas de noite!

Então nos veremos direto, cunhadinha.

Beijoca!

belle disse...

Não sei o que comentar. Acho que só pra comentar que li. Gostei do texto, só que eu acho que nunca me identifiquei nem com as historinhas nas exatas. Hehehe. :}
Menina, menina. Preciso entrar nessa tal de faculdade. :|

Diego disse...

È eu sempre gostei das exatas hehe... mas das coisas não extas eu tbm gosto, mas as exatas tem explicação exata, e as não exatas são lagais porque muitas veses dependem do ponto de vista e muitas veses me indignam.. bom nada a ver meu comentário mas tudo bem .. hehe Bejuxxxxxxxx